quarta-feira, 26 de janeiro de 2022

Hora do Conto "Um Inverno Perfeito" de Cristina Sitja Rubio!

Janeiro, um mês muito frio na nossa cidade e o momento ideal para contar às crianças a história de Cristina Sitja Rubio, "Um inverno perfeito". O Texugo foi procurar na floresta amigos para brincar, mas não encontrou nenhum. Estariam todos a dormir? Dormiam o inverno todo? 

Hummm acho que vamos conhecer os animais que Hibernam. Vamos lá descobrir!




Oficina de Escrita- "Desafia-te, vem escrever em 77 palavras!"

 Os alunos do 3º e 4º ano do AEAAG foram à BE para participarem na oficina de escrita com um desafio algo complexo: cada grupo tinha como tarefa escrever uma história em 77 palavras, para além desta regra, ainda tinham de obedecer a desafios, feitos pela autora Margarida Fonseca Santos, que foram retirados do seu livro "Desafios em 77 palavras".

Alguns dos desafios deixaram os alunos de "cabelos em pé" mas nem por isso se portaram pior. Desta oficina resultaram textos fantásticos que agora serão enviados para o Blogue da autora, também ele chamado "Desafios em 77 palavras". A autora vai ter a árdua tarefa de selecionar alguns para publicar no blogue. Não vai ser fácil...



















Ler até Timor - Visita da educadora Palmira Baltazar aos JI!

Ao longo do primeiro período, os alunos do pré-escolar do AEAAG trocaram várias atividades com os seus colegas timorenses que podem ser seguidas neste Blogue. Chegou a hora de conhecerem a educadora que nos falou desde Timor, juntamente com os seus alunos.

A educadora Palmira Baltazar veio de férias e quis conhecer todas as crianças que viu em Timor através dos vídeos e das fotografias que lhe fomos enviando. Como se não bastasse, ainda trouxe algumas lembranças para os JI, umas feitas pelos seus alunos, outras por um artesão timorense. Claro está, que os nossos alunos também quiserem enviar algumas recordações para os colegas de Timor. Assim, a educadora Palmira já tem as malas cheias de trabalhos e de carinho para distribuir por todos os seus alunos.

Parabéns a todos os intervenientes por esta fantástica partilha de afetos e de tradições! Bom regresso educadora Palmira!

JI Famalicão da Serra

JI da Famalicão da Serra

JI dos Trinta

JI de Lameirinhas

JI de Famalicão da Serra

JI dos Trinta

JI de Famalicão da Serra

JI da Sé

JI da Sé

JI da Sé

JI da Sé

segunda-feira, 24 de janeiro de 2022

CONCURSO NACIONAL DE LEITURA Apurados 12 alunos do Agrupamento para a Fase Municipal

1º ciclo: Matilde Costa, Diogo Mendonça e Mariana Marques

2º ciclo: Beatriz Gomes, Matilde Almeida e António Calçada

3º ciclo: Jéssica Moita, Constança Baía e Tomás Encarnação

Ens. Secundário: Maria Chagas, Francisco Borges e Cláudia Soares


   No passado dia 13 de janeiro, realizou-se nas escolas do Agrupamento de Escolas Afonso de Albuquerque a Prova Escolar do Concurso Nacional de Leitura. Passaram à fase municipal, a 24 de fevereiro, os seguintes alunos:


1º Ciclo

EB Bonfim - Diogo Sanches Mendonça – 96 pontos

EB Adães Bermudes - Matilde Costa – 94 pontos

EB Santa Zita - Mariana Marques – 94 pontos

 

2º Ciclo - E B Santa Clara

Beatriz Gomes (6º A) - 91 pontos

António Miguel Calçada (5º E) - 85 pontos

Matilde Almeida (6º A) - 85 pontos


 3º Ciclo - ESAAG

Jéssica Moita (7º A) - 99 pontos

Constança Baía(7º A) - 98 pontos

Tomás Encarnação (7º A) - 92 pontos


Ens. Secundário- ESAAG

Maria Chagas (12º D) - 194 pontos

Francisco Borges - (12º A) - 193 pontos

Cláudia Soares (12º E) - 189 pontos

 

Parabéns a todos! Até breve!

quinta-feira, 13 de janeiro de 2022

Prova de Escola CNL - 15ª Edição!

A treze de janeiro os alunos do Agrupamento de Escolas Afonso de Albuquerque, inscritos na 1ª fase do Concurso Nacional de Leitura, realizaram a Prova de Escola! Desafio lançado, resta agora aguardar pelos resultados. 
Boa sorte a todos! 





 

terça-feira, 11 de janeiro de 2022

Concurso Nacional de Leitura - Prova de Escola!

É já no próximo dia 13 de janeiro que os alunos do Agrupamento de Escolas Afonso de Albuquerque, inscritos no Concurso Nacional de Leitura, vão realizar a Prova de Escola, pelas 10h00.

Boa sorte a todos!


 


Em janeiro nas BE do 1º Ciclo!

Ano novo, novas atividades!

Em janeiro, as Bibliotecas Escolares do 1º ciclo vão promover atividades destinadas a todos os alunos do pré-escolar e 1º ciclo. As atividades realizadas na BE serão enviadas para todas as escolas e JI sem BE.





sexta-feira, 17 de dezembro de 2021

E a Nicole sonhou assim....

 

O meu sonho de Natal

 

O meu sonho de Natal

É para os sem-abrigo                     

Uma casa confortável

Para não terem muito frio.

 

O meu sonho de Natal

É para os que estão no hospital     

Para não passarem mal

E terem um bom Natal.

 

O meu sonho de Natal

É os animais salvar

Porque a extinção e mau trato      

Têm mesmo de acabar.

 

O meu sonho de Natal

É o planeta salvar,

Não poluir, não sujar               

Para o ambiente ajudar.

 

O meu sonho e Natal

É boas notas eu tirar

Para com o chinelo

Eu não ter que levar.

Nicole Silva

quinta-feira, 16 de dezembro de 2021

Sonhos Bons!!!

 O meu sonho de Natal

 

O meu sonho de Natal

Era que todos tivessem um lar

Onde felizes pudessem morar.

 

O meu sonho de Natal

É que todos a árvore pudessem decorar

E muitos presentes ganhar.

 

O meu sonho de Natal

É que todos os animais tivessem um abrigo

Para não correrem perigo.

 

Sara 

Natal, sinónimo de ajuda aos outros

 

Um natal maravilhoso

Na noite da véspera de Natal, o Santiago, ao jantar, estava pensativo sobre o que iria pedir ao Pai Natal para realizar um sonho que ele tinha.

Como era de bom coração, ele desejava que os mendigos tivessem alimento, teto onde viver, roupa, entre outros. Escreveu o seu sonho numa carta que mandou ao Pai Natal e ele leu. O Pai Natal estava muito contente com o seu sonho, mas não o podia realizar porque, infelizmente, há muitos mendigos. Ele, então, decidiu dar-lhe como prenda, uma estrutura onde coubessem muitas pessoas e no meio ficaria ele. Essas pessoas eram mendigos e o Santiago ajudou-os no que precisassem (teto, alimento, roupa,…). Assim já realizou um pouco do seu sonho, ou seja, fazer com que os mendigos tivessem alguma coisa que necessitassem. Quando olhavam, dava pra ver que era ele, o Santiago: generoso, de bom coração,… embora muitas pessoas apenas vissem que ele tinha cabelo castanho, olhos verdes, era alto e magro, mas de facto era ele. Na estrutura havia um CD e ele colocou-o na televisão. Todos reconheceram a personagem que aparecia no filme, pois pela simpatia, bom coração e generosidade dava pra ver que era ele e estava a ajudar todos os mendigos. E o Santiago estava mesmo muito feliz e no fim… apareceu uma imagem do Pai Natal!

Em casa mostrou o CD à mãe que acabou por chorar de felicidade.

A partir desse dia, ele sempre ajudou toda a gente e nunca esqueceu aquele Natal.

Marie-Angela Malerba Conde  

Sonho coletivo

 Um sonho de Natal

 Numa noite de Natal, um grupo de amigos teve o mesmo sonho. A Sara, o João, a Carolina e o Tomás adormeceram e sonharam algo espetacular e triste. Foram parar a um país muito triste onde todas as pessoas eram pobres.

 Nesse planeta havia um menino chamado Xavier. Ele não tinha pais, vivia sozinho na rua e o desejo dele era haver uma noite de Natal diferente de todas as outras. Ele era muito bondoso e ajudava no que podia as outras famílias, para deste modo conseguir alguma moeda para comprar alguma coisa que comer.

 Os quatro amigos ficaram espantados quando viram aquele país sem Natal. E tomaram uma decisão:

– E que tal irmos enfeitar as árvores, casas com luzes, ... – disse a Carolina.

– Ótima ideia! – exclamou a Sara.

– Mãos à obra! – disseram todos ao mesmo tempo.

Quando acabaram, a cidade nem parecia a mesma: tão linda e as familías tão alegres.

– Mas falta uma coisa! – comentou o João.

– Ho! Ho! Ho! o Pai Natal chegou! – disse o Tomás disfarçado – há presentes para todos!

As crianças ficaram tão felizes que quiseram organizar um jantar de Natal. As familías daquele planeta ficaram emocionadas.

– Fizemos um ótimo trabalho. – disse com orgulho o Tomás.

– Obrigado, muito obrigado, por realizarem este desejo a todos nós. – agradeceu o Xavier emocionado.

– Trim, trim, trim! São horas de acordar. – disse a mãe da Carolina.

 

Mariana Boa

Mais um sonho

 

Um sonho de Natal

A Julieta vivia na Síria, um país em guerra. Apenas tinha como família o seu filho de 2 anos. Viviam numa casa em ruínas, sem água e sem condições para criar o pequeno Hamas.  Tinham poucos alimentos e mudavam de casa muitas vezes para fugirem dos ataques e perseguições. Todos os dias pensava em fugir daquele país, mas com um filho tão pequenino não era fácil.

Um dia, encontrou um grupo de pessoas que iam sair da Síria e segui-os na esperança de também ela encontrar outro lugar mais seguro para viver, que a acolhesse e onde pudesse trabalhar e dar um futuro melhor ao seu filho.

Depois de vários dias a andar, sem dormir e quase sem se alimentar, chegaram a uma fronteira onde viveram dias difíceis num campo de refugiados.

Todos os dias uma enfermeira chamada Marlene procurava no campo de refugiados a Julieta para prestar cuidados ao filho. Falava com ela e ajudava em tudo o que podia. Ouvia as histórias de guerra, de desespero e tristeza daquela mãe e sonhava em um dia poder ajudar a Julieta a ter uma vida normal.

A amizade cresceu e a Marlene falou à Julieta de Portugal, o seu país. Um dia a organização Humanitária onde a enfermeira trabalhava ia retirar daquele campo alguns refugiados, onde estavam incluídos a Julieta e o Hamas.

Depois de alguns dias de viagem chegaram a Portugal. A Marlene tratou de arranjar um emprego e uma casa para a Julieta.

Era quase Natal, e a Marlene disse à Julieta que era a melhor prenda de Natal que alguma vez deu. Para a Julieta era o primeiro Natal em paz.

 

João Queirós

Sonhos e ....desejos

 

O meu desejo de natal

 

 Eu para o Natal desejo

Receber um caranguejo

Que não me pique os dedos

E que acabe com os meus medos

 

Que todas as crianças

Sejam mansas

Que comam até explodir

E que não se fartem de rir

 

Que todos possam voar

Para mais ninguém se atrasar

Também quero com o covid 19 acabar

Para mais ninguém ele apanhar

 

Que toda a gente tenha direito a um jantar de Natal

E que ninguém coma muito para que não sinta mal

Que toda a gente tenha presentes

Tão grandes que vão dos pés aos dentes.

    

 

Henrique Mesquita Nunes